Os números apontam que o Piauí é o segundo Estado da nação que possui o tráfego mais violento e com mais vitimas fatais levando em consideração a proporcionalidade com a população.

Em 10 anos, o Piauí saiu de 541 mortes no trânsito em 2003 para 1199 em 2013. Os casos mais graves envolvem motociclistas, são quase 15 mortes a casa 100 mil habitantes. Por trás desse números está a ação indenizaria do seguro DPVAT. Em todo o país foram indenizadas somente no ano passado foram indenizadas 763.365 vítimas de acidentes de trânsito incluindo familiares de vítimas fatais. resultando em 20% a mais em comparação com o ano anterior.

O Piauí possui uma frota de 950 mil veículos. Somente em janeiro e fevereiro deste ano foram registradas 1803 infrações nas quais 508 se deram por falara de acessórios de segurança. Dos acidente no mesmo período são 188 com vítimas, 13 mortes e 175 feridos.

Esta situação motiva estelionatários para realizar golpes do seguro DPVAT. Por pessoa o teto financeiro em ressarcimento para assistência médica por pessoa acidentada é de 2.700 reais, já para casos de invalidez ou morte o valor chega a mais de 13 mil reais.

O presidente da Associação dos Corretores de Seguro do Piauí lamenta o fato do acesso aos seguros terem se tornado alvos desse tipo de golpe.

“Há muitos anos isso vem ocorrendo e a polícia apura casos com investigação mas esse tipo de esquema não para. O esquema funciona com falsificações e agravamento das lesões das vitimas. Chegam a ponto de pegar pessoas que não sofreram acidentes e falsificam laudos”, disse Juvenal Vilanova.

No HUT (Hospital de Urgências de Teresina) o comércio de seguros bate a porta dos acidentados.

“Muitos casos já tiveram falsificações de relatórios médicos e laudo do HUT, tentaram fazer timbre no papel com erros grosseiros e um diagnóstico descrito com linguagem rústica. Só essa semana três casos estão sendo confirmados. Alguns pacientes são levados a mentir sobre como ocorreu lesões que as vezes podem ter sido adquiridas em casa. Temos informações de que corretores que adulteram diagnósticos ficam nesta rua esperando pacientes”, declarou o diretor do HUT, Gilberto Albuquerque.

Na Delegacia da GRECO (Grupo de Repressão ao Crime Organizado) mais de 30 processos estão em andamento por golpes do seguro DPVAT.

“A seguradora detecta fraude com levantamento interno e aciona a polícia civil para investigar os casos. Muitos deles tem características de crime organizado e associação criminosa”, afirmou o delegado da Greco, Carlos César.

Fonte: Meio Norte.com