Nova modalidade permite ao mercado de seguros oferecer produtos com cobertura por prazo definido 

A SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) publicou, na última quinta-feira (29), a regulamentação que permite às seguradoras lançarem no mercado os produtos com prazo específico de vigência ou com período intermitente. As novas normas eram aguardadas com expectativa, uma vez que o mercado poderá agora apresentar aos consumidores produtos similares àqueles que estão disponíveis em países desenvolvidos, como os Estados Unidos. O novo mercado de seguro intermitente e as opções que devem ser oferecidas pelas empresas, a partir das normas instituídas pela Circular nº 592 da SUSEP, vai ser um dos temas da CONSEGURO, o evento mais esperado do mercado de seguros do país, que ocorre em Brasília, na semana que vem, entre nos dias 04 e 05 de setembro.  

Essa nova categoria de seguro intermitente ou por prazo definido inclui, por exemplo, seguro de vida, de objetos rastreáveis e de imóveis. O produto funciona assim: no caso de celular, o seguro pode ser cobrado somente pelo período em que o usuário estiver em local público. No de residência, quando o proprietário alugar o apartamento ou a casa por temporada. Já o de vida, para quando o contratante estiver em viagens. Muitos brasileiros já experimentaram algumas dessas modalidades, como o seguro viagem no exterior.

O seguro intermitente é, normalmente, oferecido pela internet e contratado com menos burocracia. Sem a regulamentação, o seguro não podia ser comercializado no Brasil. Atualmente, o setor de seguros possui R$ 1,3 trilhão de ativos financeiros e, em 2018, sua receita foi superior a R$ 445 bilhões, equivalente a 6,5% do PIB nacional.

O especialista em seguros e membro do Comitê para América Latina da Society of Actuaries (SOA), Ronald Poon Affat, explica que, apesar das principais companhias de tecnologia já estarem instaladas no Brasil, havia a necessidade dessa regulamentação que, por ser mais flexível e personalizada, ajudará a atrair consumidores oferecendo produtos mais baratos. “A nova regulamentação vai facilitar a entrada de insurtechs (startups especializadas em seguros) estrangeiras para provocar uma mudança profunda no mercado tradicional” prevê Affat. O especialista é um dos palestrantes da CONSEGURO 2019.

Há demanda para o seguro intermitente, segundo estatísticas

Segundo dados do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro, entre janeiro e julho de 2019, cerca de 27 mil pessoas tiverem celulares roubados ou furtados (10,8% a mais do que o mesmo período em 2018 ou 24,3 mil roubos e furtos). Desse total, 12,4% concentrou-se na Região Metropolitana. Já 701 residências foram roubadas este ano. 

Fonte: CDN

Conecte-se com o SINDSEG:
facebooktwitter