A troca de um chuveiro elétrico sai, em média, por R$ 80. Para resolver problemas como troca de tomadas ou interruptores, a maioria dos profissionais que trabalha como prestadores de serviços de manutenção, os chamados “maridos de aluguel”, cobram entre R$ 50 e R$ 100, fora o material necessário para a troca. O que pouca gente sabe é que há apólices de seguro residencial que oferecem esses serviços (coberturas adicionais) por valores que, se comparadas aos gastos pontuais com a manutenção, podem sair mais em conta.
O corretor João Carlos Moreira, franquiado da Seguralta em Curitiba, ressalta que “se a pessoa souber fazer e montar um seguro residencial de acordo com o seu perfil, o custo pode ser menor que os gastos com a contratação deste tipo de serviço de manutenção residencial terceirizada.” De acordo com as informações da Seguralta, rede de corretoras de seguros, uma apólice de seguro residencial custa a partir de R$ 450, com cobertura básica que assegura o imóvel contra danos causados por explosões e incêndios. Este seguro poderá ter os serviços de hidráulica, elétrica e manutenção de eletromésticos da linha branca.

Moreira, no entanto, alerta que é importante que, antes de assinar o contrato, a pessoa leia as condições gerais de uso dos serviços ofertados pela apólice. Ele reitera que as empresas arcam com os custos da mão de obra, mas não das peças necessários à troca ou conserto. Além disso, cada empresa estipula um teto de uso dos serviço, que oscila entre duas a três vezes por ano, dependendo da seguradora. Outro alerta é quanto a necessidade do trabalho. “Se for por falta de manutenção do proprietário do imóvel, geralmente, a seguradora não cobre o custo”, ressalta.

Uma dica para quem pretende contratar um seguro residencial é cotar os valores com as mais de 20 empresas que oferecem essa modalidade do produto. Os valores podem oscilar de acordo com as necessidade de cada contratante, do endereço e também do período. Moreira explica que estas oscilações refletem, por exemplo, as condições de maior ou menor segurança na área onde está localizado o imóvel.

De modo geral, as apólices podem cobrir vendaval, roubo, danos elétricos, incêndio e até queda de raio. “Mas é importante ver a cobertura da apólice, se ela cobre danos por roubo (importância financeira), vendaval, incêndio o outra sinistralidade de ordem natural (queda de raios, por exemplo)”, ressalta. Um exemplo sobre a necessidade da montagem de um produto para cada caso é o daquele que reside em uma casa de esquina. Além das coberturas comuns, é importante que contemple os custos em um caso de acidente com carro, ou seja, uma batida de carros que possa causar danos ao imóvel.

Os serviços de reparos estão disponíveis 24 horas. Algumas seguradoras são parceiras de clinicas veterinárias. Estas oferecem descontos aos segurados no atendimento de pets. Em outros casos, as próprias oficinas das seguradoras oferecem check-up de automóveis gratuitamente. Varia de uma seguradora para outra, portanto, é necessário verificar antes de assinar a apólice nas condições gerais.

Fonte: Bem Paraná